ARTE
Vem de pipoca!! Dicas de filmes que prestigiam o cinema brasileiro
Que tal assistir aos longa-metragens de ficção indicados ao ao 15º Prêmio do Cinema Brasileiro? Também listamos os melhores de outras categorias.

Que horas ela volta?, com Regina Casé no papel da empregada doméstica Val, levou 7 prêmios, incluindo o de melhor filme de ficção. “Foi maravilhoso voltar a ser atriz. Esse filme fala de maternidade, das mulheres que precisam abrir mão de cuidar dos filhos. Conheci muitas Val pelo mundo e eu precisava contar essa história”, disse Regina Casé ao portal G1, após ganhar o troféu de melhor atriz.

Para ficar por dentro das últimas produções do cinema brasileiro, vamos deixar Netflix um pouco de lado e fazer um programa edredom 100% brazuca. Que tal?

A história da eternidade, de Camilo Cavalcanti


O desejo liberta o que o destino aprisiona, com essa frase o filme começa. Em um pequeno vilarejo no Sertão, três histórias de amor e desejo revolucionam a paisagem afetiva de seus moradores. Personagens de um mundo romanesco, no qual suas concepções da vida estão limitadas, de um lado pelos instintos humanos, do outro por um destino cego e fatalista.

Ausência, de Chico Teixeira

Um drama cotidiano, familiar, sexual, afetivo. Centrada na figura de Serginho, a trama se estrutura sobre diversos aspectos da vida desse “não-mais menino, ainda-não homem”. Seguimos o seu dia a dia: o recém-adquirido papel de homem da casa, cuidando de sua mãe e de seu irmão mais novo; o trabalho na feira; sua amizade com Mudinho e Silvinha; e sua relação confusa, entre o sexo e o afeto, com o Professor Ney. O filme é um tecido de momentos da vida de um menino em transição.

Califórnia, de Marina Person

O ano é 1984. Estela vive a conturbada passagem pela adolescência. O sexo, os amores, as amizades; tudo parece muito complicado. Seu tio Carlos é seu maior herói, e a viagem à Califórnia para visitá-lo, seu grande sonho. Mas tudo desaba quando ele volta magro, fraco e doente. Entre crises e descobertas, Estela irá encarar uma realidade que mudará, definitivamente, sua forma de ver o mundo.

Casa grande, de Fellipe Gamarano Barbosa

Jean é um adolescente rico que luta para escapar da superproteção dos pais, secretamente falidos. Quando o motorista de longa data é demitido, Jean tem a tão sonhada chance de pegar o ônibus público pela primeira vez. No ônibus, ele conhece Luiza, uma aluna da rede pública que começa a abrir seus olhos para as contradições de dentro e fora da casa grande.

Chatô – O rei do Brasil, de Guilherme Fontes

Conta a história da vida vertiginosa de um dos brasileiros mais poderosos e controvertidos deste século. Dono de um império de quase cem jornais, revistas, estações de rádio e televisão – os Diários Associados -, Assis Chateaubriand, ou apenas Chatô, sempre atuou na política, nos negócios e nas artes como se fosse um cidadão acima do bem e do mal. Mais temido do que amado, sua complexa e, muitas vezes, divertida trajetória está associada de modo indissolúvel à vida cultural e política do país entre as décadas de 1910 e 1960.

Que horas ela volta?, de Anna Muylaert

Trata dos conflitos que acontecem entre uma empregada doméstica do Brasil e seus patrões de classe média, criticando as desigualdades da sociedade brasileira. Esse filme foi o escolhido pelo Ministério da Cultura, entre 8 longas brasileiros, para representar o Brasil na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro da edição de 2016. Porém não foi indicado ao prêmio. Em dezembro de 2015, foi eleito um dos cinco melhores filmes estrangeiros do ano pela organização norte-americana, National Board of Review. No mesmo mês foi eleito o melhor filme do ano pela Associação Brasileira dos Críticos de Cinema (Abraccine).

Sangue Azul, de Lírio Ferreira

Há vinte anos, numa ilha vulcânica e paradisíaca, um menino de dez anos foi separado de sua irmã. A mãe, temerosa de que uma atração incestuosa se desenvolvesse entre os dois, fez uma escolha e optou por mandar seu filho para o continente. O menino foi entregue a Kaleb, o ilusionista do Circo Netuno, que passava pela ilha. No continente, Kaleb instruiu o menino nas artes do circo e do espírito, onde o ex-ilhéu se tornou Zolah, o Homem Bala.

Tudo que aprendemos juntos, de Sérgio Machado

Laerte é um músico promissor que sofre uma crise em plena audição para uma vaga na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). Ele perde a chance de trabalhar na maior orquestra sinfônica da América Latina e, frustrado e com problemas financeiros, vai dar aulas na favela de Heliópolis. Na escola, cercado por pobreza e violência, redescobre a música de forma tão apaixonada que acaba por contagiar os jovens estudantes. “Tudo que Aprendemos Juntos” é inspirado na história real da formação da Orquestra Sinfônica de Heliópolis e conta a emocionante saga de um músico e seus alunos, que tiveram suas vidas transformadas pela arte.

Veja lista completa de indicados ao prêmio por categoria

(os vencedores estão sublinhados)

Melhor longa-metragem de ficção
“A história da eternidade”, de Camilo Cavalcanti
“Ausência”, de Chico Teixeira
“Califórnia”, de Marina Person
“Casa grande”, de Fellipe Gamarano Barbosa
“Chatô – O rei do Brasil”, de Guilherme Fontes
“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert
“Sangue Azul”, de Lírio Ferreira
“Tudo que aprendemos juntos”, de Sérgio Machado
Melhor longa-metragem documentário
“Betinho, a esperança equilibrista”, de Victor Lopes
“Campo de jogo”, de Eryk Rocha
“Cássia Eller”, de Paulo Henrique Fontenelle
“Chico – Artista brasileiro”, de Miguel Faria Jr
“Últimas conversas”, de Eduardo Coutinho

Melhor longa-metragem comédia
“Infância”, de Domingos Oliveira
“Pequeno dicionário amoroso 2”, de Sandra Werneck
“S.O.S. mulheres ao mar 2”, de Cris D’Amato
“Sorria, você está sendo filmado”, de Daniel Filho
“Super pai”, de Pedro Amorim

Melhor longa-metragem animação
“Até que a Sbórnia nos separe”, de Otto Guerra
“Ritos de passagem”, de Chico Liberato

Melhor direção
Anna Muylaert (“Que horas ela volta?”)
Camilo Cavalcanti (“A história da eternidade”)
Chico Teixeira (“Ausência”)
Daniel Filho (“por Sorria, você esta sendo filmado”)
Eduardo Coutinho (“Últimas conversas”)
Eryk Rocha (“Campo de jogo”)
Fellipe Gamarano Barbosa (“Casa grande”)
Regina Casé com os filhos (Foto: Patricia Teixeira/G1)
Regina Casé com os filhos. Ela venceu na categoria Melhor atriz (Foto: Patricia Teixeira/G1)

Melhor atriz
Alice Braga (“Muitos homens num só”)
Andréa Beltrão (“Chatô – O rei do Brasil”)
Dira Paes (“Órfãos do Eldorado”)
Fernanda Montenegro (“Infância”)
Marcélia Cartaxo (“A história da eternidade”)
Regina Casé (“Que horas ela volta?”)
Melhor ator
Daniel de Oliveira (“A estrada 47”)
Irandhir Santos (“Ausência”)
João Miguel (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)
Lázaro Ramos (“Tudo que aprendemos juntos”)
Marco Ricca (“Chatô – O rei do Brasil”)

Melhor atriz coadjuvante
Camila Márdila (“Que horas ela volta?”)
Fabiula Nascimento (“Operações especiais”)
Georgiana Goes (“Casa grande”)
Karine Teles (“Que horas ela volta?”)
Leandra Leal (“Chatô – O rei do Brasil”)
Melhor ator coadjuvante
Ângelo Antônio (“A floresta que se move”)
Chico Anysio (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)
Claudio Jaborandy (“A história da eternidade”)
Lourenço Mutarelli (“Que horas ela volta?”)
Marcello Novaes (“Casa grande”)
Melhor direção de fotografia (empate)
Adrian Teijido (“Órfãos do Eldorado”)
Bárbara Alvarez (“Que horas ela volta?”)
José Roberto Eliezer (“Chatô – O rei do Brasil”)
Lula Carvalho (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)
Mauro Pinheiro Jr (“Sangue azul”)

Melhor roteiro original
Adirley Queirós (“Branco sai, preto fica”)
Anna Muylaert (“Que horas ela volta?”)
Camilo Cavalcanti (“A história da eternidade”)
Fellipe Gamarano Barbosa e Karen Sztajnberg (“Casa grande”)
Vicente Ferraz (“A estrada 47”)
Melhor roteiro adaptado
Domingos de Oliveira (“Infância”)
Guilherme Coelho (“Orfãos do Eldorado”)
Guilherme Fontes, João Emanuel Carneiro e Matthew Robbins (“Chatô – O rei do Brasil”)
Lusa Silvestre e Marcelo Rubens Paiva (“Depois de tudo”)
Manuela Dias e Vinícius Coimbra (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)
Marcos Jorge (“O duelo”)
Melhor direção de arte
Ana Mara Abreu (“Califórnia”)
Ana Paula Cardoso (“Casa grande”)
Gualter Pupo (“Chatô – O rei do Brasil”)
Julia Tiemann (“A história da eternidade”)
Juliana Carapeba (“Sangue azul”)
Marcos Pedroso e Thales Junqueira (“Que horas ela volta?”)
Melhor figurino
André Simonetti e Claudia Kopke (“Que horas ela volta?”)
Beth Pilipecki e Reinaldo Machado (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)
Elisabetta Antico (“A estrada 47”)
Gabriela Campos (“Casa grrande”)
Letícia Barbieri (“Califórnia”)
Rita Murtinho (“Chatô – O rei do Brasil”)
Melhor maquiagem
Anna Van Steen (“Califórnia”)
Auri Mota (“Casa grande”)
Federico Carrette e Vicenzo Mastrantonio (“A estrada 47”)
Maria Lucia Mattos e Martín Macias Trujillo (“Chatô – O rei do Brasil”)
Tayce Vale e Vavá Torres (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)

Melhor efeito visual
Bernardo Alevato e Isadora Hertz (“Órfãos do Eldorado”)
Guilherme Ramano (“Que horas ela volta?”)
Marcelo Siqueira (“Linda de morrer”)
Marcos Cidreira “Chatô – O rei do Brasil”)
Robson Sartori (“A estrada 47”)
Melhor montagem ficção
Alexandre Boechat (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)
Felipe Lacerda e Umberto Martins (“Chatô – O rei do Brasil”)
Karen Harley (“Órfãos do Eldorado”)
Karen Harley (“Que horas ela volta?”)
Mair Tavares (“A estrada 47”)
Melhor montagem documentário
Carlos Nader e André Braz (“Homem comum”)
Diana Vasconcellos (“Chico – Artista brasileiro”)
Paulo Henrique Fontenelle (“Cássia Eller”)
Pedro Asbeg, EDT e Victor Lopes (“Betinho, a esperança equilibrista”)
Rodrigo Pastore (“Cauby – Começaria tudo outra vez”)
Melhor som
Acácio Campos, Bruno Armelim, Gabriela Cunha, Júlio César, Eric Ribeiro Christani e Caetano Cotrim (“Cássia Eller”)
Bruno Fernandes e Rodrigo Noronha (“Chico – Artista brasileiro”)
Evandro Lima, Waldir Xavier e Damião Lopes (“Casa grande”)
Gabriela Cunha, Miriam Biderman, ABC, Ricardo Reis e Paulo Gama (“Que horas ela volta?”)
José Moreau Louzeiro e Aurélio Dias (“A hora e a vez de Augusto Matraga”)
Mark Van Der Willigen, Marcelo Cyro, Pedro Lima e Sérgio Fouad (“Chatô – O rei do Brasil”)

Melhor trilha sonora original
Alexandre Guerra e Felipe de Souza (“Tudo que aprendemos juntos”)
Alexandre Kassin (“Ausência”)
Fábio Trummer e Vitor Araújo (“Que horas ela volta?”)
Patrick Laplan e Victor Camelo (“Casa grande”)
Zbgniew Preisner (“A história da eternidade”)
Zeca Baleiro (“Oração do amor selvagem”)

Melhor trilha sonora
Los Hermanos (“Esse é só o começo do fim das nossas vidas”)
Luiz Claudio Ramos, a partir da obra de Chico Buarque (“Chico – Artista brasileiro”)
Luiz Avellar (“A estrada 47”)
Nelson Hoineff, a partir da obra de Cauby Peixoto (“Cauby – Começaria tudo outra vez”)
Paulo Henrique Fontenelle, a partir da obra de Cássia Eller (“Cássia Eller”)

Melhor longa-metragem estrangeiro
“Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)”, de Alejandro G. Iñarritu
“Leviatã”, de Andrey Zvyagintsev
“O sal da terra”, de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado
“Olmo e a gaivota”, de Petra Costa e Lea Glob
“Whiplash – Em busca da perfeição”, de Damien Chazell

Melhor curta-metragem de animação
“Até a China”, de Marão
“Égun”, de Helder Quiroga
“Giz”, de Cesar Cabral
“O quebra-cabeça de Tárik”, de Maria Leite
“Virando gente”, de Analúcia Godoi

Melhor curta-metragem documentário
“A festa dos cães”, de Leonardo Mouramateus
“Cordilheira de amora II”, de Jamille Fortunato
“De profundes”, de Isabela Cribari
“Entremundo”, de Renata Jardim e Thiago B. Mendonça
“Retrado de Carmen D.”, de Isabel Joffily
“Uma família ilustre”, de Beth Formaggini
“Praça de guerra”, de Edimilson Gomes

Melhor curta-metragem ficção
“História de uma pena”, Leonardo Mouramateus
“Loïe e Lucy”, de Isabella Raposo e Thiago Brito
“Outubro acabou”, de Karen Akerman e Miguel Seabra Lopes
“Quintal”, Andrés Novais
“Rapsódia de um homem negro”, de Gabriel Martins

O Mais Mulher entende o universo feminino e traz informação sobre alimentação saudável, atividade física, yoga, amor, sexo, moda, comportamento e beleza em um só lugar.