NA CAMA
Carência de sexo oral, entre mulheres, é mais comum do que se imagina
Até quando doenças sexualmente transmissíveis e gravidez serão os únicos temas da nossa educação sexual? Conquistas femininas também devem passar pela cama.

Vamos falar de sexo oral. Uns gostam, outros não. Mas contextualizando a tardia liberdade sexual feminina, é possível supor um prejuízo da parte das mulheres. Saca só! Em São Paulo, 1252 homens, com idades entre 18 e 30 anos, foram entrevistados para uma pesquisa da empresa Sex Wipes. Diante do tema sexo oral, 78% deles afirmaram receber sexo oral com frequência. Mas apenas 4 em cada 10 disseram também praticar na parceira. Outra! 43% deles não realiza esta modalidade de sexo com a parceira. Mais sobre esta pesquisa.

Como igualar esse placar?

Sexo oral ainda é tabu entre jovens mostrou uma outra pesquisa da Universidade do Pacífico, na Inglaterra, que abordou sexualidade e sexo oral. Participaram 71 jovens (homens e mulheres), entre 16 a 18 anos, que se relacionam com pessoas do sexo oposto. As pesquisadoras afirmaram ficar impressionadas com as respostas retrógradas e preconceituosas.

Entre eles, foram notadas muitas ressalvas e pontos grosseiros para falar de vaginas e da prática do sexo oral. Já elas pareceram imprecisas e genéricas ao descrever suas experiências e preferências sexuais. No resumo da ópera, eles dizem mais não. Negam-se a fazer sexo oral na parceira e pronto.

Pela igualdade de gêneros, inclusive na cama, o Mais Mulher compartilha o ‘Antimanual do Sexo Oral’ (nome ótimo!) do site Papo de Homem. Vamos às dicas que a-ma-mos!

Seja homem ou mulher, se fizer, curta:

É preciso dar prazer com vontade, deleitar-se no mundo dos fluidos e das texturas.

Não dá para ter nojo ou frescura, um pelinho na boca não mata ninguém.

Prestar atenção nos sinais e nas reações do outro é fundamental para investir mais nos movimentos que provocam as melhores sensações.

Olhar nos olhos durante o sexo oral é sempre excitante, admirar o órgão sexual do outro também.

O ritmo é crucial tanto para o homem quanto para a mulher, perto do orgasmo tente não mudar o ritmo, os movimentos nem a velocidade, a não ser que você não queira receber uma bela gozada na boca.

Boas investidas pra você!

O Mais Mulher entende o universo feminino e traz informação sobre alimentação saudável, atividade física, yoga, amor, sexo, moda, comportamento e beleza em um só lugar.