PSIQUE
Terapia online: Antes de clicar, saiba as novas normas desta prática
Há muitos sites, aplicativos e variadas plataformas oferecendo o serviço. Mas como saber se o profissional que está do outro lado é confiável?
Novas normas para terapia online. Saiba como checar a autorização do profissional.
Terapia online, uma prática cada vez mais procurada. (Foto: Shutterstock)

Não só por comodidade, mas por muitos outros fatores, a terapia online tem sido cada vez mais procurada. Antes de clicar em qualquer botão iniciar, certifique-se primeiro se o serviço faz parte de um cadastro nacional e se o terapeuta tem autorização para realizar a terapia virtual.

Sabemos que investir em cuidados para uma saúde mental e bem-estar não é privilégio da maioria. Esta então seria uma forma de ampliar o acesso da população a este tipo de serviço. Com internet, é possível, pelo celular ou computador, iniciar uma chamada de vídeo por  WhatsApp ou Skype, por exemplo, e ter o atendimento de um terapeuta.

Esta prática já era permitida, desde 2012, pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP), mas há novas normas que ampliam essa atuação. Antes, havia uma limitação de 20 sessões por paciente e este devia ter um objetivo específico (como superar o fim de uma relação).

As novas regras da resolução 11/2018 do CFP, que entram em vigor em novembro, libera totalmente a terapia online, como se fosse um atendimento presencial. Mais de 700 sites já buscaram se cadastrar para oferecer atendimento remoto. Para você consultar se o site ou aplicativo é cadastrado no Conselho Federal de Psicologia, basta acessar: http://cadastrosite.cfp.org.br/cadastro/

A previsão é de que as novas regras para ação de psicólogos via Skype, Hangout, Whatsapp ou outras plataformas online que devam entrar em vigor até o fim do ano.

Sobre Atendimento para Terapia Online

Limites: Agora, é permitido atendimento online pleno, sem o limite de 20 sessões;

Cadastro: O psicólogo precisa se cadastrar no seu conselho regional e aguardar autorização; cadastro deve ser atualizado anualmente;

Indevido: Em situações de urgência, como em crises, é indevido o atendimento online;

Vedado: Não é permitido o atendimento online em situação de emergência, desastres, e situações de violência e abuso;

Autorizados: Os sites autorizados podem ser checados em via cadastro nacional.

Alguns motivos da procura por terapia online

  • Mudanças de cidades ou de país com diferença de idioma ou afinidade com o terapeuta;
  • Dificuldades de locomoção ou de se ausentar de casa ou do trabalho;
  • Mães com filhos pequenos;
  • Vida nômade.

Segundo dados do IBGE, 69,3% dos domicílios brasileiros têm acesso a internet. Na região Norte, a taxa é de 62,4%; Sudeste, Centro-Oeste e Sul, ultrapassa 70%. Estudos já comprovaram a eficácia da terapia online em comparação à presencial.

Mas algumas questões ainda preocupam especialistas, como: preço, que não poderá ser chamariz (provavelmente será tabelado), a precarização do trabalho do psicanalista e adequação de profissionais e pacientes a este novo modelo de atendimento (local, traje, postura).

O Mais Mulher entende o universo feminino e traz informação sobre alimentação saudável, atividade física, yoga, amor, sexo, moda, comportamento e beleza em um só lugar.